nivo slider image

Pesquisadores falam sobre avaliação de empresas no “Viver Ciência”

 

O “Viver Ciência” deste domingo, 20 de abril, mostra como o conhecimento produzido na universidade pode ter aplicações práticas no meio empresarial. O apresentador Brunno Favacho conversa com Moisés Ferreira da Cunha, professor da UFG e doutor em Controladoria e Contabilidade, e com Cíntia Oliveira Elias, graduanda em Ciências Contábeis, sobre uma pesquisa desenvolvida na UFG que estuda a avaliação de empresas em Goiás.

 vc_41

No momento de compra ou venda de uma empresa, por exemplo, é importante conhecer profundamente seu desempenho econômico-financeiro. Desta forma, a avaliação de empresas é um processo que converte projeções de desempenho em estimativas do valor da empresa.

 

No programa desta semana, os pesquisadores explicam porque decidiram estudar a avaliação das empresas goianas, a importância dessas avaliações e falam sobre os desafios encontrados durante a realização da pesquisa, que ainda está em andamento.

 

Uma reportagem especial mostra como avaliações de empresas podem impactar na economia local e o quadro “Caminhos da Ciência” explica como é possível desenvolver pesquisas relacionadas à Contabilidade na UFG.

 

O “Viver Ciência” é exibido todos os domingos, às 15h30, com reapresentações na terça, às 19h30, e quinta, às 12h30.  A partir da próxima quinta-feira, o programa também estará disponível na íntegra na aba “Episódios” na página do “Viver Ciência”: www.tvufg.org.br/viverciencia

Estudo utiliza métodos estatísticos para estudos de população

graphic-design-business-success

 

Neste domingo, 13 de abril, o “Viver Ciência” fala sobre o uso da estatística para estudos populacionais. O programa conversa o professor da UFG e doutor em Demografia, Mario Ernesto Piscoya Diaz, e com o graduando em Estatística pela UFG, Leonardo Loghin, sobre a pesquisa “Métodos estatísticos aplicados aos estudos de população”, que está sendo desenvolvida por eles.

 

Os pesquisadores explicam como a informação estatística pode se transformar em subsídio para ações em diversas áreas. Governos municipais, por exemplo, podem fazer uso de estatísticas de mortalidade e fecundidade para a elaboração de políticas públicas mais seguras. Diaz e Loghin contam em qual fase a pesquisa se encontra neste momento e quais resultados já foram alcançados.

 

O programa também conta com uma reportagem sobre o uso da estatística em outras áreas além do estudo de população. Já o quadro “Caminhos da Ciência” entrevista o coordenador do curso de Estatística da UFG, Luís Rodrigo Fernandes Baumann, para descobrir como é possível fazer pesquisas relacionadas à estatística na universidade.

 

Saiba mais:

Site do curso de Estatística da UFG

Dados do IBGE relacionados à população

Site da Pró-reitoria de Inovação da UFG

Site da Pró-reitoria de Pós-graduação da UFG

 

O “Viver Ciência” é exibido todos os domingos, às 15h30, com reapresentações na terça, às 19h30, e quinta, às 12h30.  A partir da próxima quinta-feira, o programa também estará disponível na íntegra na aba “Episódios” na página do “Viver Ciência”: www.tvufg.org.br/viverciencia

 

Estudo investiga qualidade de vida de idosos que participam de atividades em grupo

idosos

 

Consultas regulares ao médico e cuidados com a alimentação são medidas capazes de garantir uma boa qualidade de vida para idosos. Entretanto, um estudo desenvolvido na UFG aponta que atividades realizadas em grupo, sejam exercícios físicos ou atividades terapêuticas, podem também contribuir significativamente para a melhoria da qualidade de vida dos idosos.

 

A pesquisa, realizada pela professora da UFG, Lizete Malagoni Oliveira,  e pela professora da Universidade Federal do Tocantins, Leidiene Ferreira Santos, ambas doutoras em Ciências da Saúde, compara a qualidade de vida de idosos participantes e não participantes de atividades grupais. Este é o tema do “Viver Ciência” deste domingo, 6 de abril.

 

Em um bate-papo com o apresentador Brunno Favacho, as professoras falam sobre os benefícios das atividades em grupo e quais são os tipos mais indicados para os idosos. A entrevista também explica quando esses momentos de convivência passaram a ser vistos como possíveis terapias e se o Sistema Único de Saúde os reconhece como prática terapêutica.

 

O programa também conversou com idosos que participam de atividades em grupo. Eles contam como a interação com outras pessoas afetam o seu cotidiano e contribui para uma vida mais saudável tanto do ponto de vista físico quanto mental. Como é possível desenvolver pesquisas relacionadas à Enfermagem na UFG? Descubra no quadro “Caminhos da Ciência”.

 

 

Saiba mais:

Site da Faculdade de Enfermagem da UFG

Dança afasta a depressão de idosos e ajuda a exercitar a mente (Site A Terceira Idade)

Brasil vai se tornar um país de idosos já em 2030, diz IBGE (Portal Terra)

Portal Terceira Melhor Idade

Portal Amigo do Idoso

 

 

O “Viver Ciência” é exibido todos os domingos, às 15h30, com reapresentações na terça, às 19h30, e quinta, às 12h30.  A partir da próxima quinta-feira, o programa também estará disponível na íntegra na aba “Episódios” na página do “Viver Ciência”: www.tvufg.org.br/viverciencia

“Viver Ciência” aborda estudo sobre as características da fala dos goianos

vc_ep38

 

O ”Viver Ciência” deste domingo, 30 de março, apresenta um estudo sobre as características regionais do português falado pelos goianos. Quais as diferenças do português falado em Goiás – também conhecido como “goianês” – e o português falado no resto do país?

 

A professora Vânia Cristina Casseb Galvão, doutora em Linguística e Língua Portuguesa, e o professor Leosmar Silva, doutor em Letras e Linguística falam sobre a pesquisa que desenvolveram sobre o português contemporâneo falado em Goiás.

 

Existem diversas características, não somente ligadas ao sotaque, que caracterizam a fala da maioria dos goianos. Os pesquisadores explicam o motivo da escolha da fala goiana como objeto de estudo e porque é importante conhecer as diferenças regionais da língua portuguesa. Vânia e Leosmar contam também quais são os próximos passos da pesquisa, que ainda está em andamento. Para finalizar, o quadro “Caminhos da Ciência” traz informações sobre como desenvolver pesquisas em Linguística na UFG.

 

Saiba mais:

Entenda o “goianês” (Desciclopédia)

Programa de Pós-graduação em Letras e Linguística (UFG)

 

O “Viver Ciência” é exibido todos os domingos, às 15h30, com reapresentações na terça, às 19h30, e quinta, às 12h30.  A partir da próxima quinta-feira, o programa também estará disponível na íntegra na aba “Episódios” na página do “Viver Ciência”: www.tvufg.org.br/viverciencia

“Viver Ciência” aborda estudo sobre reaproveitamento de resíduos de alimentos

jabuticaba

 

O aproveitamento de resíduos, como cascas de frutas, é o tema do “Viver Ciência” deste domingo, 23 de março. O programa convida a professora Clarissa Damiani, doutora em Ciências dos Alimentos, e Lismaíra Gonçalves, mestre em Ciência e Tecnologia de Alimentos, para falar sobre a pesquisa “Desenvolvimento de novos produtos a base de resíduos de origem vegetal”.

 

Diariamente tanto consumidores domésticos quanto estabelecimentos comerciais descartam uma grande quantidade de resíduos de frutas, leguminosas e hortaliças que poderiam ser reaproveitados como matéria-prima para novos produtos alimentícios. Trata-se de uma questão de sustentabilidade tanto do povo de vista econômico quanto do ponto de vista social e ambiental.

 

No “Viver Ciência” desta semana, as pesquisadoras explicam o que a indústria de alimentos considera como resíduo e quais as vantagens econômicas e ambientais de seu reaproveitamento. Elas também contam como surgiu a ideia de pesquisar o resíduo da jabuticaba e quais os próximos passos da pesquisa, que ainda está em andamento.

 

Além de impactar positivamente a economia e o meio ambiente, o reaproveitamento de resíduos para o desenvolvimento de novos produtos pode transformar a vida de pessoas, como mulheres do interior de Goiás que utilizam resíduos da jabuticaba para a produção de novos alimentos. É o que mostra a reportagem especial do “Viver Ciência” desta semana.

 

Mas será que esta prática sustentável pode ser efetivamente aplicada no mercado ou encontra-se somente no campo científico? Descubra no programa desta semana. Veja também como é possível realizar pesquisas relacionadas à Engenharia de Alimentos na UFG.

 

Saiba mais:

Escola de Agronomia e de Engenharia de Alimentos

Veja 10 receitas para reaproveitar alimentos e evitar desperdício (Super Interessante)

Pequenas atitudes podem evitar o desperdício de alimentos (Consumidor Moderno)

 

 

O “Viver Ciência” é exibido todos os domingos, às 15h30, com reapresentações na terça, às 19h30, e quinta, às 12h30.  A partir da próxima quinta-feira, o programa também estará disponível na íntegra na aba “Episódios” na página do “Viver Ciência”: www.tvufg.org.br/viverciencia

Pesquisa da UFG visa melhorar o desempenho do sistema de energia elétrica

vc_ep03

 

O “Viver Ciência” deste domingo, 16 de março, apresenta uma pesquisa na área de Engenharia Elétrica desenvolvida por professores da UFG. O estudo “Ensaios elétricos em transformadores de potência” tem o objetivo de realizar ensaios elétricos em transformadores de potência em operação visando o melhor desempenho no sistema de energia elétrica e a economia financeira já que a substituição destes equipamentos tem custo elevado.

 

A pesquisa, que está em andamento, é desenvolvida pela professora Cacilda de Jesus Ribeiro, coordenadora do estudo, e pelo professor Leonardo da Cunha Brito, ambos da UFG. Em uma conversa com o apresentador Brunno Favacho, os pesquisadores explicam como surgiu a ideia de pesquisar ensaios elétricos em transformadores de potência e como isso pode contribuir para melhorar o desempenho do sistema elétrico.

 

A pesquisa envolve termos pouco comuns para quem não conhece a fundo a área de Engenharias, como Cromatografia e Redes Bayesianas. Por isso, os pesquisadores explicam o significado destes nomes e sua importância para a realização do estudo. Como a pesquisa ainda está em desenvolvimento, eles respondem também o que ainda esperam descobrir até o seu encerramento.

 

O “Viver Ciência” desta semana traz ainda informações para quem tem interesse em realizar pesquisas relacionadas à Engenharia Elétrica na UFG.

 

Saiba mais:

Site da Escola de Engenharia Elétrica, Mecânica e de Computação

 

O “Viver Ciência” é exibido todos os domingos, às 15h30, com reapresentações na terça, às 19h30, e quinta, às 12h30.  A partir da próxima quinta-feira, o programa também estará disponível na íntegra na aba “Episódios” na página do “Viver Ciência”: www.tvufg.org.br/viverciencia

 

Pesquisadores estudam a relação dos goianienses com o Rio Meia Ponte

O “Viver Ciência” deste domingo, 9 de março, discute uma pesquisa desenvolvida na UFG que investiga as relações historicamente construídas entre a população de Goiânia e o Rio Meia Ponte. O estudo é coordenado pelo professor Alexandre Martins de Araújo, do Departamento de História da UFG, e integrado também pelo professor Sandro Dutra, doutor em História e professor da Universidade Estadual de Goiás.

 

vc_ep02

Com a participação dos pesquisadores, o “Viver Ciência” promove uma discussão sobre a mudança da relação do goianiense com o Rio Meia Ponte, que passou de um local de lazer para um “sumidouro” de detritos da cidade no imaginário da população. O programa também fala sobre a importância de se estudar os rios na perspectiva da História Ambiental e explica como esta linha da história se difere do estudo da História tradicional.

 

No quadro “Caminhos da Ciência”, veja como desenvolver pesquisas relacionadas à História Ambiental na UFG.

 

Saiba mais:

Núcleo de História Ambiental e Interculturalidade da Faculdade de História da UFG

É possível recuperar o rio Meia Ponte? (Jornal da UFG)

Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Meia Ponte

Projeto Meia Ponte.org

 

O “Viver Ciência” é exibido todos os domingos, às 15h30, com reapresentações na terça, às 19h30, e quinta, às 12h30.  A partir da próxima quinta-feira, o programa também estará disponível na íntegra na aba “Episódios” na página do “Viver Ciência”: www.tvufg.org.br/viverciencia

Pesquisa sobre Aedes Aegypt abre nova temporada do “Viver Ciência”

Aedes aegypti

 

O “Viver Ciência” estreia neste domingo, 2 de março, sua segunda temporada. Em 2014, o programa continua com a meta de aproximar a ciência do cotidiano das pessoas e abordará mais pesquisas desenvolvidas na Universidade Federal de Goiás.  

 

No primeiro episódio, o “Viver Ciência” conta com a participação de Francesca Guaracyaba Garcia Chapadense, mestranda em Medicina Tropical, e Pedro Vitor Lemos Cravo, professor do Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública (IPTSP) da UFG. Eles são integrantes de uma pesquisa que estuda a resistência de mosquitos Aedes Aegypti a inseticidas, assunto que será tema do programa desta semana.

 

O estudo aponta que as populações de mosquito Aedes Aegypt têm resistência elevada à deltramina, inseticida utilizado no combate à dengue. Os pesquisadores explicam como essa resistência pode prejudicar o controle do mosquito em Goiânia e falam também sobre a estratégia do governo para o combate à dengue e os maiores desafios encontrados durante a realização da pesquisa.

 

O “Viver Ciência” também conta com questionamentos de outros especialistas em cada tema abordado. No episódio desta semana, o doutor em Parasitologia e Microbiologia Wolf Christian Luz faz perguntas aos pesquisadores convidados.

 

O quadro “Caminhos da Ciência” explica como é possível fazer pesquisas relacionadas a doenças tropicais, como a dengue, na UFG.

 

Saiba mais:

Boletins semanais da dengue em Goiás – Secretaria da Saúde do Estado de Goiás

Programas de Pós-Graduação do IPTSP/UFG

 

O “Viver Ciência” é exibido todos os domingos, às 15h30, com reapresentações na terça, às 19h30, e quinta, às 12h30.  A partir da próxima quinta-feira, o programa também estará disponível na íntegra na aba “Episódios” na página do “Viver Ciência”: www.tvufg.org.br/viverciencia

Cronograma de reapresentações do “Viver Ciência”

A partir do próximo domingo, 12 de janeiro, o “Viver Ciência” inicia a reapresentação de sua primeira temporada, exibida entre abril de 2013 e janeiro de 2014. As reprises serão exibidas no domingo, às 15h30, na terça, às 19h30, e na quinta, às 12h30. O programa retorna em março com episódios inéditos.

Confira abaixo o cronograma de reapresentações:

 

12/01  A nanotecnologia no combate ao câncer

Tema: Uso de Nanopartículas no combate e tratamento do câncer / Convidados: Prof. Andris Bakuzis (Instituto de Física/UFG) e Profª. Elisângela Silveira (Instituto de Ciências Biológicas/UFG).

 

14/01 – Estudo utiliza robô para identificar falhas na fiação elétrica

Tema:  Pesquisa busca identificar falhas na fiação elétrica através de aeronaves não tripuladas (VANT) / Convidados: professor e coordenador da pesquisa, José Wilson Lima Nerys, e o mestrando em Engenharia Elétrica, Rubens Antônio Alves.

16/01 – Utilização de bioprodutos de plantas do Cerrado na produção de ração animal

Tema: Utilização de bioprodutos de plantas do Cerrado para a produção de ração animal / Convidados: José Realino de Paula (professor da Faculdade de Farmácia/UFG) e Juliano José Fernandes (professor da Faculdade de Medicina Veterinária/UFG).

19/01 – Intercâmbio cultural na formação de professores de espanhol e português

Tema: A importância das relações interculturais entre países do Mercosul para a formação de professores de espanhol e português / Convidadas: Lucielena Mendonça de Lima (professora da Faculdade de Letras/UFG) e Cleidimar Aparecida Mendonça (professora da Faculdade de Letras/UFG).

21/01 – Planejamento, acessibilidade e mobilidade urbana

Tema: Estudo reúne dados e análises relacionados ao planejamento urbano, à mobilidade e à acessibilidade em grandes cidades / Convidados: Erika Cristine Kneibe (professora da FAV/UFG) e Camilo Vladimir de Lima Amaral (professor da FAV/UFG).

23/01 – Alimentação saudável na infância

Tema: A importância das hortas escolares na promoção da educação alimentar no ensino fundamental / Convidados: Carlos Eduardo Anunciação (professor, mestre em Microbiologia e doutor em Biologia Molecular) e Simoni Urbano da Silva (mestre em Nutrição).

26/01 – Diagnóstico de Insuficiência Renal em cães

Tema: Aplicação dos exames complementares no diagnóstico da insuficiência renal crônica em cães / Convidados: Maria Clorinda Soares Fioravanti (prof. da Faculdade de Veterinária e Zootecnia da UFG e pós-doutora em Genética e Melhoramento dos Animais Domésticos) e Saura Nayane de Souza (doutoranda em Patologia, Clínica e Cirurgia na UFG).

28/01 – Construções civis mais sustentáveis

Tema: Pesquisa utiliza lajes alveolares protendidas para tornar obras mais sustentáveis / / Convidados: Daniel de Lima Araújo (prof. e doutor em Engenharia Civil) e Cristina de Fátima Mattos Antunes (mestre em Geotecnica e Construção Civil).

30/01 – Desaparecimento de civis

Tema: Pesquisa analisa a reação da Segurança Pública diante do desaparecimento de pessoas / Convidados: Dijaci David de Oliveira (prof. Sociologia UFG) e Antônio Maciel Aguiar Filho (pres. Federação Nacional dos Profissionais em Papiloscopia).

02/02 – Impactos dos biocombustíveis no meio ambiente

Tema: Pesquisadores da UFG utilizam peixes para conhecer a extensão dos impactos de biocombustíveis sobre o meio ambiente / Convidados: Maria Gizelda de Oliveira Tavares (profª. do curso de Química da UFG e doutora em Ciências Ambientais) e Natália Cristina de Oliveira (gestora ambiental e pós-graduanda em Gestão e Química do Meio Ambiente).

04/02 – Atlas Fotográfico de Alimentos

Tema: Estudo resulta na publicação de um Atlas Fotográfico de Alimentos / Convidados: Maria do Rosário Gondim Peixoto (mestre em Nutrição, doutora em Saúde Pública e coordenadora da pesquisa) e Rávila Graziany Machado de Souza (nutricionista e mestranda).

06/02 – A influência da interação homem-máquina no estilo eletroacústico

Tema: A influência da interação homem-máquina no estilo eletroacústico / Convidados: Anselmo Guerra de Almeida (coordenador da pesquisa) Sérgio de Alencastro Veiga Filho (técnico em audiovisual da EMAC/UFG).

09/02 – A influência dos programas de TV femininos no mercado de trabalho

Tema: A influência dos programas femininos de TV na entrada de mulheres de baixa renda no mercado de trabalho / Convidados: Ana Carolina Temer (drª. em Comunicação Social e profª. FIC/UFG) e Simone Tuzzo (drª. em Comunicação e Cultura e profª. FIC/UFG).

11/02 – Farmacogenética no tratamento de pacientes com depressão

Tema: Como a farmacogenética pode auxiliar a monitorar a conduta terapêutica na depressão, auxiliando os médicos na escolha do tratamento mais adequado para cada paciente / Convidados: Paulo César Ghedini (coord. da pesquisa, dr. em Farmacologia e professor do Departamento de Fisiologia e Farmacologia da UFG) e Angela Adamski da Silva Reis (dra. em Biologia e profª. do ICB/UFG).

13/02 – A qualidade do envelhecimento da cachaça de acordo com o tipo de madeira dos tonéis

Tema: Avaliação da qualidade da cachaça armazenada em tonéis de diferentes tipos de madeira / Convidados: Marcio Caliari (prof. Departamento de Tecnologia de Alimentos da Faculdade de Agronomia e Engenharia de Alimentos da UFG e coordenador do estudo) e Cláudio Fernandes Cardoso (prof. Departamento de Tecnologia de Alimentos da Faculdade de Agronomia e Engenharia de Alimentos da UFG).

16/02 – Eficiência do capim vetiver para o tratamento do esgoto sanitário

Tema: Eficiência do capim vetiver para o tratamento do esgoto sanitário / Convidados: Rogério de Araújo Almeida (doutor em Agronomia e prof. da Escola de Agronomia da UFG) e Fernando Ernesto Ucker (mestre em Meio Ambiente e doutorando em Agronomia).

18/02 – Adaptação de “V de Vingança” dos quadrinhos para o cinema

Tema: Adaptação de “V de Vingança” dos quadrinhos para o cinema / Convidados: Nildo Viana (dr. em Sociologia e prof. de Sociologia/UFG) e Edmilson Marques (doutorando em História e prof. Cinema/UEG).

20/02 – Análise de reações biomoleculares induzidas por excitações eletrônicas a partir de um software

Tema: Estudo que visa possibilitar a análise de reações biomoleculares induzidas por excitações eletrônicas a partir de um programa de computador / Convidados: Freddy Fernandes Guimarães (coord. da pesquisa, dr. em Química e prof. Instituto de Química/UFG) e Maxwell Severo da Costa (doutorando em Química).

23/02 – Tradução do Conhecimento para a prática da implantodontia

Tema: Processo de tradução do conhecimento para a prática da implantodontia / Convidados: Rejane Faria Ribeiro-Rotta (prof. do Departamento de Cirurgia e Medicina Oral da Faculdade de Odontologia da UFG) e Alexandre Bellotti Ferreira (membro do Colégio Brasileiro de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial).

25/02 –  Diálogos interculturais em salas de aula de inglês

Tema: Como as trocas interculturais em sala de aula podem contribuir para o aprendizado do inglês como língua estrangeira / Convidados: Carla Janaína Figueredo (prof. do Departamento de Línguas e Literatura Estrangeira da UFG e doutora em Letras e Linguística) e Patrícia Cardoso Moreira (prof. de inglês e graduanda em Licenciatura em Inglês).

27/02 – Os obstáculos e as conquistas na gestão de empresas sustentáveis

Tema: Empreendedorismo sustentável: trajetórias, obstáculos e fatores de sucesso no processo de criação de novas empresas sustentáveis / Convidados: Cândido Vieira Borges Júnior (doutor em Administração e prof. da FACE/UFG) e Marcelo Ferreira Tete (doutorando em Administração e prof. da FACE/UFG).

Os obstáculos e as conquistas na gestão de empresas sustentáveis

tecnologia-verde

O “Viver Ciência” deste domingo, 5 de janeiro, encerra sua primeira temporada falando sobre empreendedorismo sustentável. O programa convida os pesquisadores Cândido Vieira Borges Júnior, doutor em Administração, e Marcelo Ferreira Tete, doutorando em Administração, ambos professores da Faculdade de Administração, Ciências Contábeis e Ciências Econômicas (FACE) da UFG, para explicarem os objetivos do estudo “Empreendedorismo sustentável: trajetórias, obstáculos e fatores de sucesso no processo de criação de novas empresas sustentáveis”.

 

Eles esclarecem as diferenças entre o modelo tradicional e o modelo sustentável de gestão empresarial e contam quais são os fatores que levam empresários a não investirem em práticas sustentáveis em seus negócios. O programa conta ainda com uma reportagem sobre a criação de empreendimentos comprometidos com a responsabilidade ambiental.

 

Os conhecimentos em Administração possibilitam estudos com diferentes focos. Veja no quadro “Caminhos da Ciência” como desenvolver pesquisas na Faculdade de Administração da UFG.

_____________________________

 

Este é o último programa da primeira temporada do “Viver Ciência. O programa, que teve sua estreia em abril deste ano, abordou estudos desenvolvidos em diferentes faculdades e unidades da UFG. Ao longo de 33 episódios, entrevistamos pesquisadores sobre temáticas ligadas à saúde, meio ambiente, políticas públicas, informática, ensino, cultura, dentre outros. Todos os episódios estão disponíveis no site do programa, no endereço www.tvufg.org.br/viverciencia/?page_id=2.

 

Voltaremos com episódios inéditos em março de 2014! Até lá!

 

O “Viver Ciência” é exibido todos os domingos, às 15h30, com reapresentações na terça, às 19h30, e quinta, às 12h30.  A partir da próxima quinta-feira, o programa também estará disponível na íntegra na aba “Episódios” na página do “Viver Ciência”: www.tvufg.org.br/viverciencia

Page 1 of 512345